Potencial Econômico - Portal da Prefeitura Municipal de Boa Saúde

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Município
 Potencial Econômico

RECURSOS NATURAIS: EXISTENTES, EXPLORADOS E PRETENDIDOS PARA UTILIZAÇÃO
Dentre os principais recursos naturais existentes, ganham destaque a vegetação, os solos e as rochas.
É comum a utilização da lenha pelos moradores locais, seja na elaboração de móveis, seja para a queima e geração de energia calorífica para cozinhar.
Como Boa Saúde apresenta um potencial do ponto de vista geológico, ou seja, rochas e materiais intemperizados que servem para a construção civil e a indústria. Para o caso de empreendedorismo, deverão atender a legislação de licenciamento ambiental e instauração de práticas de recuperação de espaços degradados.
O leito dos principais rios, temporários no âmbito deste município, são áreas potenciais para a captação de argila e areia, que são carreadas e se acumulam no talvegue dos rios quando no período chuvoso.
A exploração desses recursos é visto como potencial pelo fato de terem sido identificados registros de autorização de pesquisa junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

ATRATIVOS NATURAIS EXPLORADOS PELO TURISMO
No que se refere à exploração de atrativos ou produtos pela atividade econômica do turismo, não há na prática empresas ou empreendedores investindo, sendo portanto uma ótima oportunidade de negócio.

EVENTOS
Uma tradição há mais de 130 anos. A Festa de Nossa Senhora da Saúde ou a Festa de 02 de Fevereiro, como é conhecida, é um dos maiores acontecimentos sócio religiosos da Região do Trairi, no Rio Grande do Norte.
Durante todo o ano, as pessoas visitam a capela de Nossa Senhora da Saúde e pagam promessas. Mas é durante os dias 31 de janeiro, 01 e 02 de fevereiro que aumenta o número de devotos que acorrem à cidade de Boa Saúde para participar da festa da sua padroeira, agradecendo graças alcançadas e pagando promessas. Os festejos começam, geralmente, no dia 24 de janeiro com uma carreata, saindo de uma cidade vizinha, trazendo a imagem de Nossa Senhora da Saúde em procissão. O novenário se prolonga até o dia 01 de fevereiro. O encerramento da festa ocorre no dia 02 de fevereiro com missa solene e procissão com a participação de cerca de 10 mil pessoas. Nos dias 31 de janeiro, 01 e 02 de fevereiro acontece a tradicional festa de rua com parques de diversão, barracas, entretenimentos diversos, apresentação de bandas musicais e festas nos clubes.
A Festa de 02 de Fevereiro é uma tradição que se repete a mais de 130 anos, pois o documento mais antigo citando a localidade com o nome de Boa Saúde é datado de 22/06/1878.
Nos dias 19 e 20 de janeiro no povoado de Guarani é realizada a festa de São Sebastião padroeiro da comunidade.
Por ocasião do carnaval são organizados dois ou três blocos com a participação dos jovens que além de desfilarem pelas ruas de Boa Saúde, costumam visitar as cidades vizinhas.
As festas juninas acontecem geralmente a partir de 12 de junho, prolongando-se até o dia 29, com maior ênfase na última semana do mês.
A rede escolar mantém as tradições juninas organizando quadrilhas e realizando arraias. A comunidade festeja mantendo viva a tradição das fogueiras e das comidas típicas, organizando quadrilhas e realizando animados forrós.
No dia 7 de setembro a rede escolar comemora a independência do Brasil com desfile escolar apresentando alegorias alusivas ao evento e aspectos da cultura local além da participação de bandas marciais pelas principais ruas da cidade.
A emancipação política do município é comemorada no dia 11 de dezembro, geralmente com alvorada estiva, apresentação de bandas marciais, realização de ato solene comemorativo e apresentação das bandas.
 ÁREAS PASSÍVEIS DE RECEBEREM ATIVIDADES PRODUTIVAS
De uma maneira geral o território de Boa Saúde apresenta amplos espaços com possibilidade de utilização por diversas atividades econômicas e também para a expansão urbana, necessitando sempre o cuidado da infraestrutura básica de esgoto e drenagem para que sejam evitados problemas de contaminação e erosão, esta última principalmente em áreas com declividades acentuadas que naturalmente já apresentem indícios de erosão pluvial.

DINÂMICA E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO MUNICIPAL
O município de Boa Saúde não dispõe de dados que possam comprovar os elementos necessários à análise da dinâmica espacial de forma mais consistente, no entanto, observa-se que o processo de ocupação do município se deu pelo crescimento da sede do município e da Comunidade de Córrego de São Mateus.
Como a população rural do município é bastante expressiva, o formato do crescimento só é observado nas comunidades acima citadas. A capacidade de suporte do município em relação à atividade turística é bastante deficiente, uma vez que Boa Saúde é deficitária em meios de hospedagem e equipamentos de alimentação que possam atender uma demanda maior de pessoas.
Quanto à análise da questão fundiária é observado um grande interesse por novos parcelamentos, principalmente próximo à sede, evidenciando que existe demanda por novas moradias na cidade.
Não foram registradas questões fundiárias por posse de terra, pois a totalidade das áreas é de propriedade de particulares, excetuando as áreas de assentamentos agrários denominados no quadro 02 a seguir:

O município não faz o controle de uso e ocupação do solo, portanto a evolução urbana é observada por meio comparativo entre imagens de satélites de 2002 e levantamento de campo realizado por ocasião deste diagnóstico.
Nas áreas da sede é perceptível ao crescimento da cidade nos locais onde já existe infraestrutura instalada, e com alguns equipamentos urbanos de lazer.
A principal demanda é por locais onde existe pavimentação, água e energia, podendo ser observado no mapa das duas localidades tanto a sede como o Córrego de São Mateus.
Os conjuntos de casas construídas pelo poder público também é um fator indutor do crescimento de algumas localidades.

Das 975 unidades urbanas (IBGE, 2010) podemos considerar um grande incremento ao contabilizar que quase 50% das edificações urbanas foram construídas a partir de programas habitacionais institucionais.
O município não possui cadastro imobiliário, sendo, portanto a cobrança de IPTU bastante incipiente. O recolhimento da taxa é realizado na grande maioria dos comerciantes e nas transações de compra e venda de imóveis efetuadas em cartório.
 
EVOLUÇÃO ECONÔMICA RECENTE DO MUNICÍPIO
 
PRODUTO INTERNO BRUTO
Os dados sobre o PIB de Boa Saúde foram retirados do site do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, utilizando-se o Banco de Dados Agregados, através do SISTEMA IBGE DE RECUPERAÇÃO AUTOMÁTICA – SIDRA - Séries históricas. O SIDRA é um sistema de indicadores municipais com informações econômicas e sociais, sendo um importante instrumento para o planejamento de políticas públicas. Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, que deu mais responsabilidade e autonomia aos municípios, foram ampliadas as demandas por informações econômicas padronizadas e comparáveis em nível municipal, tanto por parte de agentes públicos e privados, quanto por estudiosos da economia, e pela sociedade em geral. Dessa forma, os resultados do PIB municipais, permitem identificar as áreas de geração de renda, produzindo informações que captam as especificidades do País.
O banco de dados utiliza a metodologia e a base de dados do PIB dos Municípios estão completamente integradas às novas séries das Contas Nacionais e das Contas Regionais do Brasil, sendo seus resultados compatíveis com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE. Contudo, ao se realizar a pesquisa no site, a série histórica contempla os dados somente a partir de 1999, não sendo possível fazer uma análise dos anos 80.
A evolução do PIB pode ser visualizada no quadro 04 destacando- se o Brasil, Nordeste, Rio Grande do Norte e Boa Saúde. Nele pode ser observada uma elevação na trajetória do crescimento do Produto Interno Bruto durante o período de 1999 a 2008.
A expansão da economia brasileira nos últimos anos foi impulsionada principalmente pelo crescimento da demanda interna, que teve alta significativa. De acordo com os dados do IBGE, o consumo das famílias tem registrado aumento consecutivo nos últimos anos, o que provoca elevação do PIB, expansão do emprego e da massa salarial, estimulando um aumento contínuo do consumo das famílias.
Esse desenvolvimento econômico também é constatado no Nordeste, no Rio Grande do Norte e em Boa Saúde que apresentaram variação positiva em quase todos os anos. Observa-se que o município não só cresceu em quase todo o período, como também apresentou uma variação maior do que o Estado do Rio Grande do Norte, do Nordeste e do Brasil conforme mostra o quadro 05 de evolução:

PIB PER CAPITA
O PIB per capita é estimado pelo quociente entre o valor do PIB pela população residente de cada município, tomando como referência a data de primeiro de julho de cada ano, em consonância ao cálculo do PIB per capita regional e nacional. É importante relacionar o crescimento da produção (PIB) com o dos habitantes do local, pois é essa relação que determina se, na média, a população está "enriquecendo" ou não. O PIB pode subir enquanto o PIB per capita diminui. Isso ocorre se a população cresce mais do que a produção num determinado ano, mostrando que, na média, a população empobreceu. O PIB per capita é apenas uma média indicativa: a distribuição desse ganho ou perda se dá de forma desigual, e esse efeito não pode ser registrado neste indicador. É relevante salientar que nem toda a renda produzida dentro da área do município é apropriada pela população residente.
Em 2008, Boa Saúde ocupava a 111ª posição no ranking do PIB per Capita no Rio Grande do Norte, conforme consta na publicação do Produto Interno Bruto do Estado e Municípios 2002-2008 do IDEMA. Portanto, nota-se que é um valor baixo, em relação ao Estado.
PERFIL ECONÔMICO MUNICIPAL
A partir dos dados de valor adicionado desde 1985, abertos pelos grandes setores da economia – agropecuária, indústria, comércio e demais serviços, é possível conhecer e analisar a evolução do perfil setorial do Município. Em continuidade a essa análise, devem ser caracterizadas as atividades produtivas relevantes em cada setor e como estão distribuídas pelas áreas do território municipal.
Adentra-se assim, a uma visão da economia municipal, no sentido de verificar quais são as principais atividades primárias, (culturas permanentes e temporárias, criações, etc.), secundárias (principais indústrias) e terciárias, e sua importância para Boa Saúde.
Em Boa Saúde o setor de comércio e serviços é a atividade que mais gera novos postos de trabalho.  A agricultura com culturas tradicionais do setor primário, como mandioca e da castanha de caju, vêm se ampliando gradativamente, sendo que o município já é um dos maiores exportadores de mandioca do Estado. Já a pecuária bovina, atividade também tradicional do setor primário no Município, não é expressiva.
 PRODUÇÃO AGRÍCOLA

A economia de Boa Saúde é aquecida pela produção em larga escala da cultura da mandioca, e castanha de caju, gerando para o Município várias divisas. Destaca-se a produção da mandioca com uma produção de 42.000 toneladas em uma área colhida de 2.800 hectares; a castanha de caju com uma produção de 800 toneladas em uma área colhida de 144 hectares, conforme observado no quadro 06 a seguir.

PRODUÇÃO PECUÁRIA

Boa saúde possuía em 2010, um rebanho bovino que contava com 2.646 cabeças de gado. Outros tipos de rebanho que se destacaram na pecuária municipal foram os de galinhas que chegaram a um total de 9.743 cabeças em 2010 e o de galos, frangas, frangos e pintos que contava com uma população de 14.022 também no ano de 2010.


Rua Manoel Joaquim de Souza, 434 - Centro - Boa Saúde - RN
Telefones - (84) 3256-2206 - (84) 3256-2226 CNPJ 08.142.655/0001-06
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal